Por isso...

Aqui teremos papos, desabafos, dicas, receitas e tudo que possa facilitar nossa correria diária de ser mulher, mãe e tal

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

O que é Doula?

Bom dia a todas, meu nome é Cristina e recebi o convite da Tati pra falar um pouco sobre os meus serviços de doula.

Doula é uma profissional que educa as gestantes durante os últimos meses sobre o parto, cuidados com o bebê, cuidados do pós-parto, amamentação etc. Além disso eu acompanho todo trabalho de parto e parto para ajudá-las a ter o parto ideal que elas querem. Além da informação, dou apoio, a presença da doula na maternidade mostra para os médicos que a mãe sabe como tudo funciona e que ela esta fazendo de tudo para ser respeitada. Com isso podemos diminuir em 50% as taxas de cesárea ,diminuir em 20% a duração do trabalho de parto, diminuir em 60% os pedidos de analgesia, diminuir em 40% o uso da oxitocina e diminuir em 40% o uso de forceps.

O valor do acompanhamento varia de doula para doula, as experiências, as formações acadêmicas, e a média nacional é de R$ 400 a 900 reais. O ideal é que você conheça as doulas e só depois decida qual a ideal para você. Ser Doula não é uma opção, é um chamado, um verdadeiro dom. Para doular você precisa se dedicar de corpo e alma,  abrir mão da sua vida pessoal para ajudar a sua paciente a ter a experiência mais incrível da vida dela. 

Eu doulei pela primeira vez há 4 anos, acompanhando um parto e ajudando 2 mamães no pós-parto, foi puro instinto e me apaixonei pela maternidade, tanto que engravidei 1 mês depois com apenas 17 anos !!!
Apesar de não ter sido planejada a minha filha Sofia foi totalmente desejada, hoje apesar de ser ainda nova
eu tenho sucesso profissional, e o fato de ser mãe ajuda bastante.

Alguns dias são de correria total, a paciente me liga em trabalho de parto, tenho 2 horas para chegar no local
(às vezes menos) e preciso me arrumar, comer, arrumar a Sofia, deixá-la na casa da minha mãe e ir a casa da paciente ou hospital. Alguns partos são rápidos, 2 horas, outros chegam a 30 horas de trabalho!
Também nunca tenho certeza dos meus planos, já desmarquei vários compromissos por ter que ir atender a um parto, e planejar férias é ainda mais difícil. Mas com amor eu vou lidando com tudo isso, ser mãe, ser mulher, estar sempre me atualizando, estudando e tentando ter uma vida pessoal rsrsrsrsr.








Se você esta esperando um bebê, tenha uma doula, ela pode fazer toda a diferença. Obrigada Tati pelo convite, e obrigada a todas
que valorizam o nossa linda missão.

Cris De Melo
Téc. Enfermagem
& Doula!
(48) 9168-0506
cris.sofia20@hotmail.com
www.crisdoula.blogspot.com





Obrigada você, Cris! Imagino como deve ser gratificante esta sua correria, hein?

Beijos, beijos
Tati

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Stephen Michael King, você conhece?

Desde que me tornei mãe meu universo literário também mudou. Além da minha habitual leitura sobre design, decoração e coisas do trabalho, descobri o mundo encantado dos livros infantis. Adoro me maravilhar com as histórias, ilustrações e pop-ups, tanto quanto o Tau.

Mas de todos os autores tenho uma preferência inexplicável, pelo Stephen Michael King, amo, amo, amo os livros deste australiano que escreve e ilustra seus livros com tamanha poesia! Adoro os traços, as cores, a liberdade das histórias.

Confesso que toda sexta feira quando Tau traz livro da escola fico torcendo que seja um dos dele...kkkkk...claro que nunca falo, mas ele percebe a minha alegria quando isso acontece!
Se você já conhece sabe do que estou falando... senão fica a dica! 
Saiba mais sobre ele aqui e veja alguns dos seus livros (todos Brinque-Book) abaixo:






Stephen Michael King perdeu a audição por volta dos 9 anos de idade e viu sua vida mudar...
"Naquela época eu passei de um feliz estudante, sempre com nota A, para um outro nível, em que fui reprovado em todas as matérias, com exceção de Educação Artística. A deficiência dificultou meu relacionamento com os amigos; foi muito difícil para mim e acabei me tornando introvertido, desenhando e escrevendo muito. Me tornar surdo foi uma mudança grande na minha vida. Até hoje fico apavorado se preciso falar em aulas ou coisas do tipo, mas se tenho um lápis na mão, consigo expressar coisas, sentimentos! Para mim é uma forma de comunicação." 

Beijos e boa semana!

domingo, 26 de setembro de 2010

Tudo vira brincadeira!

Bom, eu pensei que estivesse sem inspiração para escrever, mas a Tati bem que me relembrou: Isis - minha fonte de inspiração eterna.
Essa fofura de menina de 1 ano e 9 meses, a cada dia me ensina mais e mais.
Claro que tenho que ter o desconto de ser mãe corujíssima, mas nem tem como não ser né?
Hoje ela é uma criança (é, deixou de ser meu bebezinho), que sabe o que gosta e o que não gosta, tem um gênio forte, aprende as coisas numa velocidade impressionante, e quando me dou conta, ela já deu um salto de desenvolvimento que me deixa até perdida.
Ela já aprendeu o "não" e desde então, muita coisa que perguntamos tem resposta certa: NÃO. Mas a gente sabe que nem sempre é sua vontade real, aí vem a psicologia infantil pra transformar o não em um sim cheio de empolgação.
Banho? Vamos tomar banho? Há meses que não vejo ela ir correndo pro banheiro só com essa pergunta. Sempre vem um não antes.
Aí, lá vamos nós pra maratona: pegar bichinhos de banho, convidá-la a dar banho neles, falar que o peixe quer nadar, etc etc etc.
Aí fazemos uma mini brincadeira de pega-pega, pra ela se empolgar: "Vou pegar você, hehehe, vamos tirar a roupinhaaaaa", ela sai correndo dando gargalhadas.
Aí... depois de fazermos de conta que estamos super cansados de correr atrás dela, conseguimos alcançá-la, e tiramos a roupinha da dona moça!
Aí nova fase de pega-pega, peladinha pela casa, daaaaaaando risada, até que ela mesma corre pro banheiro e já quer entrar debaixo do chuveiro.
Recentemente ela começou a resmungar pra enxaguar o cabelo. Só deixa se tiver alguma coisa nas mãozinhas pra distrai-la. Tá bom, então lá vai esponja, embalagem de shampoo, o que tiver mais perto. E ela fica toda feliz, e eu consigo enxaguar o cabelinho, dar banho na gatinha enquanto ela se diverte.
Na hora de sair, já nem parece a mesma criança que me respondeu com um sonoro não quando sugeri o banho.
Como ela adora brincar dentro do balde, apesar dele estar apertado, ela começa a espalhar água pra todo lado, falando tchau pra mim e mandando beijo, no maior estilo: mamãe, me deixa brincar, vai dar uma volta, vai.
Aí nova psicologia pra tirá-la de lá... "Isis, vamos pegar o gogó"?
Gogó é o "cheirinho" que ela usa pra dormir, e também enquanto se veste após o banho. Como é irresistível, ela já levanta os bracinhos, toda feliz, que vai encontrar um gogó limpinho!
E assim vamos, no dia-a-dia, inventando qualquer coisa para que as obrigações se tornem divertidas. Também facilita um monte, né, uma vez que assim eu fico mais leve, mais tranquila, raramente preciso dar uma bronca, fico menos estressada com o acúmulo de funções (oh, vida de mulher é dura!).
Bom, a moral da história é: nem sempre a gente consegue viver numa brincadeira, mas com os filhos a gente pode e deve! Então vamos aproveitar pra extravasar com eles, assim a gente constrói cidadãos mais felizes e também ficamos com menos rugas...

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

sustentabilidade...

Quero partilhar com vocês uma dica muito boa que recebi por email. Não sei de quem são os créditos, mas adorei esta ideia.


Olhem que interessante para fecharmos os mantimentos e de quebra ajudamos a reciclar!!
Contem as amigas!!!! 
Devagarinho cada um faz a sua parte para cuidar do que é de todos: 
nosso mundo, nossa casa!!!!

E inspirando-se em quem faz artes maravilhosas, olhem que coisa mais linda o que a minha amiga Wal artesanal fez com esta dica clicando aqui.


Beijinhossssssssssss.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Momento Mulherzinha

Desde que tive meu primeiro filho, o meu lado mais feminino e arrumadinho tinha ficado um pouco para trás, afinal era muita coisa pra dar conta, filho, escola, casa, marido, família, etc etc. Ai quando estava voltando a me cuidar mais, engravidei de novo... e lá se foi todo o meu tempo again, eis que passados alguns anos, estou em uma ótima fase da vida, com td mais organizado e com meus filhotes crescidos, voltei a ter mais tempo para mim mesma e para me cuidar mais e vou confessar ando em uma fase mega consumista.
Adoro ler sobre as tendencias, saber das cores que vamos usar na próxima estação, e principalmente comprar. Acho que isso é o reflexo de uma fase mais tranquila mesmo, contente com meu corpo, e principalmente feliz comigo mesma.
No meio dessas minhas novas descobertas, descobri uma nova paixão: Sapatos e Sandálias!!!! Nunca fui muito chegada em comprar muitos, sempre tive apenas o necessário, mas de uns tempos pra cá,  ando sempre de olho nas vitrines das lojas, ai entro, provo, provo de novo, dou uma pensadinha e se gostar mesmo eu levo, rs.
A primavera chegou e com ela cores, muiiitas cores, as vitrines estão todas lindas e coloridas.

Seguem algumas fotos de umas sandálias e rasteirinhas  que irão  bombar na próxima estação, eu nem era muito fã de salto alto, mas confesso que agora que meus pitocos cresceram dá pra eu ousar um pouco mais quando saio com eles, fora que os saltos hoje em dia são bem mais confortáveis que antigamente.



Nova coleção da Via Marte, super colorida e super confortáveis!!


Algumas rasteirinhas, tem de diversas marcas, particularmente não
sou muito fã das gladiadores, mas elas estão com tudo, rs.


E pra finalizar um mix com a nova coleção da Dakota, eu adoro plataforma também e a Dakota está com cada uma mais linda que a outra.

Bjocas,

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

ANOREXIA INFANTIL

Bom dia meninas,
Com muito alegria recebi o convite da Tati para falar de um assunto, que fez parte da minha vida por muitos anos, ANOREXIA INFANTIL.
Meu primeiro filho nasceu em Dezembro de 1999, mamou no peito até os 5 meses, quando precisei retornar ao trabalho, o desmame foi tranqüilo, um belo dia cheguei em casa e achei que o peito não tinha leite, decidi que não ia mais amamentar e assim foi. Naquela época, eu era inexperiente e desinformada não tinha noção de tantos benefícios da amamentação, e acredito que a forma de desmame tenha sido totalmente inadequada.
A introdução de alimentos foi normal, mas ele só aceitava alimentos totalmente líquidos, sopas batidas no liquidificador e mamadeiras coadas. Era uma criança que nunca ganhava peso, por essa razão, íamos à Pediatra toda semana para que ela acompanhasse o peso dele. Imaginem todos os tipos de estimuladores de apetite! Ele tomou. Mas o que resultava, era sono.
Descobrimos então que se tratava de anorexia. Eu jamais poderia pensar que uma criança com menos de 1 ano poderia ter essa doença, que até então pra mim, era doença de adulto.
O fato é que ele rejeitava a comida, fazia vômito só em olhar. Por 2 vezes, o levamos para o hospital com hipoglicemia. Eu, desesperada e sob a péssima orientação dos mais velhos, forçava, tapava o nariz dele, ameaçava bater com o chinelo caso não abrisse a boca, e o que ganhei, foi uma criança traumatizada.
Com 1 ano ele parou totalmente de se alimentar acordado, então, de 3 em 3 horas, eu o colocava pra dormir, e fazia uma mamadeira, para ele tomar.
Não posso precisar especificamente, quando ele voltou à se alimentar, mas até os 3 anos, ele nunca havia feito uma refeição! Sempre evitamos sair, porque ficávamos refém da alimentação dele, já que ele só aceitava cremogema e precisávamos cozinhar.
Sei que foram anos de tortura, tanto pra ele, quanto pra nós! Anos de muito choro, nos quais eu ajoelhava e pedia à Deus somente que meu filho se alimentasse. Podia ser danoninho, gelatina, sorvete, iogurte, biscoitos, pra mim, não importava, mas nem essas coisas de criança ele comia.
Hoje em dia ele não tem uma boa relação com comida. Se alimenta mal, está obeso, colesterol alto e uma auto-estima baixa. Não posso afirmar que tudo isso se deve à anorexia e a nossa pouca habilidade no tratamento dele, mas uma coisa é certa, é uma culpa que nunca vai me largar!
Por isso, prestem atenção na alimentação de suas jóias, pode ser apenas uma falta de apetite normal de criança, ou algo mais grave como uma anorexia.

Fiquei muito feliz quando a Ly aceitou o convite! Mais feliz ainda por ela dividir sua experiência conosco e dar uma "luz" para quem estiver passando por isso ou algo semelhante!
Obrigadão mesmo Ly!
A Ly, tem um Blog lindo que fala de decoração, com muitas dicas e ideias para quem adora coisinhas de casa. 
Beijos, beijos
Tati





domingo, 19 de setembro de 2010

Mimos para Maya

Descobri meu lado "arteiro" depois que minha filhota nasceu, vira e mexe faço alguma coisinha pra enfeitar o seu quarto, escritório ou o que quer que seja que apareça pela frente!!!!

No escritório havia muitas canetinhas, muitos lápis e, uau, queria organizar bem bonitinho. Então tive a ideia de fazer uns porta-lápis com garrafa pet de água mineral de 500ml, forrada de tecido e com alguns laçarotes pra dar charme a coisa, hehehe.
 E no final das contas a parte do escritório que é dela ficou assim:


Bonitinho, né? Maya amou e ajudou a fazer. Pra quem quiser fazer os porta-lápis é super simples, é só pegar um pedaço de tecido de sua preferência, cortar ou rasgar no tamanho necessário e colar com cola branca. Depois é bom passar cola branca por cima pra impermeabilizar e dar mais durabilidade ao trabalho. Os lacinhos eu comprei numa loja de aviamentos e uso pra muitas coisas.

Já que estou falando das minhas habilidades manuais, aproveito pra mostrar o porta-treco que fiz e um vasinho com a mesma estampa pro quarto da filhota:


Caixa vista de frente, que uso pra guardar prendedores de cabelo, colares, anéis e todos os badulaques femininos e o vasinho.

Caixa vista de cima, ahá, assim é bem mais bonita, né? Nos detalhes vasados eu utilizei o mesmo tecido que usei nas laterias, vasinho e num dos porta-lápis.
Bjkas,

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Teatro em Floripa!







Está rolando na cidade o evento Floripa Teatro, até domingo...  Existem 3 lonas montadas (Sul, Norte e Centro), além de alguns espetáculos ocorrerem nos teatros da cidade.
As peças representadas nas “lonas” são gratuitas, e a maioria é de classificação livre.
Hoje, às 10h e às 15h, tem peça infantil de um grupo de teatro de Cabo Frio/RJ na lona Norte, que fica no estacionamento do Supermercado Angeloni dos Ingleses.
A programação completa está no site www.floripateatro.com.br
Vamos aproveitar??

 

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Bolhas de Sabão


Tem coisa mais mágica que bolha de sabão? Talvez luzinhas de natal, que eu também adoro. Sei lá se parei no tempo, mas tanto uma como a outra me deixam feliz, parece que qualquer coisa pode acontecer quando bolhas de sabão voam com o vento ou quando luzinhas iluminam uma noite escura. Sim, meu lado criança pula alegre quando vejo essas coisas...
Ontem meu bebê conheceu as bolhas de sabão. Foi linda a carinha que fez quando várias delas surgiram translúcidas pelo ar. Ele viu a mágica que existe por apenas alguns segundos e logo desaparece... Quis pegá-las e deu risadinhas deliciosas quando estouraram no seu rosto, espirrando água com sabão. Engatinhou para persegui-las e não percebeu que era inútil, elas sempre sumiam antes que conseguisse alcançá-las, mas seus 10 meses de idade o impediram de descobrir que não conseguiria segurá-las como a uma bolinha. Sorte dele, tudo é possível ainda!
Quando meu primeiro filho fez 3 anos, fizemos uma festa no parque e deixei sobre a mesa vários tubinhos de bolha de sabão. Foi incrível! As crianças corriam atrás das bolhas voadoras e os pais sopravam animados. Foi muito bom ver como coisas tão simples e baratinhas produzem efeitos tão legais sobre as pessoas, além de produzirem imagens bucólicas e inesquecíveis.
Arthur sempre gostou das bolhas, acho que assim como eu, ele enxerga a mágica que existe naqueles círculos perfeitos, maleáveis e brilhantes feitos com água e sabão. Que criança não enxerga?
Terminamos a tarde na rua, fazendo bolhas... Arthur tentando estourá-las e se denominando o "samurai das bolhas", enquanto o Rafinha, sentado no carrinho, observava o irmão pular e correr atrás da brincadeira. Adoro esses dias, quando uma idéia pequena muda todo o colorido da rotina.

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Espaço Kids!! Cadê????



Hoje tive que ir ao dentista cedo e não tinha com quem deixar o Gabriel, então ele foi junto comigo na consulta.
Ontem chegamos de viagem e enfrentamos sete horas dentro de avião, chegamos depois da meia noite, com certeza a vontade dele de correr e brincar era grande, mas a minha consulta não esperava e lá fomos nós para o consultório...
Chegando lá, ele sentou-se no sofá como combinamos e pegou seus livros para “ler” um pouco, a concentração estava maravilhosa. 
A Consulta que eu achei que ia demorar uma meia hora se estendeu por mais de uma hora, e a concentração do Gabriel? Acabou!!!! Lá foi ele me espiar... e foi chegando cada vez mais pertinho do dentista e da auxiliar, mas ele também cansou de só espiar, começou a caminhar ali, aqui, acolá e quando de repente começou a circular por nós  caminhando rápido, acho que deu umas cinquenta ou mais voltas em torno do dentista, de mim e da auxiliar, tive que fechar os olhos, por que eu estava tonta, e não adiantava eu gesticular ou murmurar uns sons pedindo para ele parar!! Ele não parava, o dentista dava uns risinhos nervosos e eu estressei, mas depois relaxei, o que eu podia fazer com o bocão aberto? Ele caminhou tanto que cansou e parou... no final da consulta resolveu sentar no sofá e “ler” seus livros, mas daí já era hora de ir embora. O que eu fiz? Conversei com ele, expliquei que deveria ter ficado no sofá esperando a mamãe e tal, muito calmamente. Mas ele é criança, não tem paciência para ficar nestes lugares.
Tudo isso me fez refletir que como nós mães sofremos com a falta de espaços voltados para crianças nos consultórios, bancos, lojas, farmácias e por aí vai. O que custa colocar uma mesinha com uns brinquedinhos para crianças? Não precisa ser nada caro nem sofisticado, uma mesa e cadeira de plástico, uns brinquedinhos, papéis e lápis. É claro que sou precavida e levo um kit para meu filho quando vou a estes lugares, mas a grama do vizinho é mais verde, ele ia se empolgar com certeza. O fato é que ninguém pensa nisso ou melhor, a minoria pensa. Hoje os meus aplausos vão para a classe dominante que lembram das crianças.
As eleições estão chegando, mas os políticos não estão nem aí para os pequenos cidadãos. Que pena!!!!

E lá se vão as mães se descabelar e procurar espaços kids nos estabelecimentos. Para mim é achar uma agulha no palheiro. E, para você? Se souber de algum conta!!!
 
Beijocasssssssssssssss

 



domingo, 12 de setembro de 2010

Tá com pressa? Vai de Bolo Atleta

Sabe aqueles dias que tudo se atropela de tanta coisa para fazer?
Pois é nesse dia, um desses muitos da nossa existência, meu filhote pede de um jeitinho tão especial para fazermos um bolo para o lanche da tarde. Como recusar? Aquela carinha de pidão, os olhinhos cheios de expectativas... hum...mas peraí! Tau nem é chegado em bolo! Será que tá querendo fazer uma atividade comigo ou quer comer mesmo?
Bom resumindo, corri para o armário. Procurei, procurei e nem acreditei quando encontrei um pacote de bolo pronto (a salvação para dias corridos)! 
Fizemos o bolo e não tive dúvida na hora de assar, micro-ondas nele...
Fiz na caneca para não demorar mais que 1 minuto e meio... precisava voltar correndo para o estúdio então mãos a obra!!
O único problema de bolo de micro-ondas é que fica branquela, mas nada que uma caldinha de chocolate não resolva.

Da pra comer na caneca...

... ou cortar as fatias e comer no pratinho!!!


Achou muito branquela ainda... então faz de chocolate!



Na internet é fácil achar receitas de bolo de caneca, caso não goste do de caixinha... 

BOLO ATLETA
- Bolo caixinha sabor e marca à gosto ou sua receita habitual de bolo
- Leite
- Ovos
- Marganina ou manteiga
- Caneca cerâmica untada
Coloca a massa até a metade da caneca, leva ao micro-ondas mais ou menos 1 minuto e meio (vai depender do seu micro)
CALDA
- 4 colheres sopa de açúcar
- 3 colheres de sopa de Nescau
- 2 colheres de água
Leva ao fogo, mexendo bem até ferver e desgrudar do fundo. Despeje ainda quente sobre o bolo.

Fizemos tudo rapidinho e voltamos para o estúdio. Tau ficou satisfeito com a "atividade culinária" (ele adora ajudar na cozinha) e adorou que foi na caneca, redondinho! Sabe que comeu tudo e ainda pediu mais!

Pra quem tá em Floripa, com esta chuvinha...faz hoje mesmo, agora pro lanche da manhã! Ainda dá tempo!

Beijos, beijos

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

A praga moderna

Nesta semana fui novamente na Biblioteca Pública com o Gabriel e lá, peguei uma revista VEJA e me deparei com uma reportagem que me tocou fundo.
Há tempos quero escrever um post sobre stress, mas eu não saberia descrevê-lo melhor do que a Lya Luft. Então caros amigos, nunca é tarde para refletirmos sobre os males desta praga moderna, como ela mesma descreve. Peço desculpas se esta matéria não for novidade para quem já a leu, mas é porque não, ler de novo?
"O que somos mesmo, neste período pós-moderno
de que algumas pessoas tanto se orgulham, é estressados"

Nossas pestes – que também as temos – podem ser menos tenebrosas do que as medievais, que nos faziam apodrecer em vida. Mas, mesmo mais higiênicas, destroem. E se multiplicam, na medida em que se multiplica o nosso stress. Ou melhor: o stress é uma das modernas pragas. Quanto mais naturebas estamos, mais longe da mãe natureza, que por sua vez reclama e esperneia: tsunamis, tempestades, derretimento de geleiras, clima destrambelhado. Ser natural passou a não ser natural. Ser natural está em grave crise.
O bom mesmo é ser virtual – mas isso é assunto para outra coluna, ou várias. Porque, se de um lado somos cada vez mais cibernéticos e virtuais, de outro cultivamos amores vampirescos, paixões por lobisomens, e somos fãs de simpáticos bruxos em revoadas de vassouras. Mudaram, os nossos ídolos. Não sei se para pior, mas certamente para bem interessantes. Pois nosso lado contraditório é que nos torna interessantes, em consultórios de psiquiatras, em textos de ficcionistas. Também na vida cotidiana aquela velhíssima voz do instinto, voz das nossas entranhas, deixou de funcionar. Ou funciona mal. Desafina, resmunga, rosna. A gente não escuta muita coisa quando, por acaso ou num esforço heroico, consegue parar, calar a boca, as aflições e a barulheira ao redor.
O que somos mesmo, neste período pós-moderno de que algumas pessoas tanto se orgulham, é estressados. Não tem doença em que algum médico ou psiquiatra não sentencie, depois de recitar os enigmáticos termos médicos: "E tem também o stress". Para alguns, ele é, aliás, a raiz de todos os males. Eu digo que é filho da nossa agitação obsessivo-compulsiva. Quanto mais compromissados, mais estressados: é inevitável, pois as duas coisas andam juntas, gêmeas siamesas da desgraça. Porque a gente trabalha demais, se cobra demais e nos cobram demais, porque a gente não tem hora, não tem tempo, não tem graça. Outro dia alguém me disse: "Dona, eu não tenho nem o tempo de uma risada". Aquilo ficou em mim, faquinha cravada no peito.
Um dos nossos mais detestáveis clichês é: "Não tenho tempo". O que antes era coisa de maridos e de pais mortos de cansaço e sem cabeça nem para lembrar data de aniversário dos filhos (ou da mãe deles), agora também é privilégio de mulher. De eficientes faxineiras a competentíssimas executivas, passamos de nervosas a estressadas, stress daqueles de fazer cair cabelo aos tufos.
Não sei se calvície feminina vai ser um dos preços dessa nossa entrada a todo o vapor no mercado de trabalho – pois ainda temos a casa, o marido, os filhos, a creche, o pediatra, o ortodontista, a aula de dança ou de judô dos meninos, de inglês ou de mandarim (que acho o máximo, "meu filhinho de 6 anos estuda mandarim") –, mas a verdade é que o stress nos domina. É nosso novo amante, novo rival da família e da curtição de todas as boas coisas da vida.
Que pena. Houve uma época em que a gente resolvia, meio às escondidas, dar uma descansadinha: 4 da tarde, a gente deitada no sofá por dez minutos, pernas pra cima... e eis que, no umbral da porta, mãos na cintura ou dedo em riste, lá apareciam nossa mãe, avós, tias, dizendo com olhos arregalados: "Como??? Quatro da tarde e você aí, de pernas pra cima, sem fazer nada?".
Era preciso alguma energia para espantar os tais fantasmas. Neste momento, porém, eles nem precisam agir: todos nós, homens e mulheres, botamos nos ombros cruzes de vários tamanhos, com prego ou sem prego, com ou sem coroa de espinhos. São tantos os monstros, deveres, trânsito, supermercado, dívidas e pressões, que – loucura das loucuras – começamos a esquecer nossos bebês no carro. Saímos para trabalhar e, quando voltamos, horas depois, lá está a tragédia das tragédias, o fim da nossa vida: a criança, vítima não do calor, dos vidros fechados, mas do nosso stress. Começo a ficar com medo, não do destino, eterno culpado, não da vida nem dos deuses, mas disso que, robotizados, estamos fazendo a nós mesmos.
Lya Luft

Vamos desacelerar minha gente, vamos ter mais tempo para nossa família,
vamos ter mais tempo para NÓS mesmos!!!
Beijinhos carinhosos!!!!

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Brincadeiras divertidas em casa.





Passamos os quatro dias desse feriadão em casa, curtindo os meninos e cuidando da casa mesmo, já que com a correria do dia a dia nem sempre dá tempo de fazer a manutenção de algumas coisas no quintal, etc.

Durante o sábado a tarde os meninos estavam meio "entediados" e não queriam fazer nada, tudo que sugeríamos como opção, eles respondiam que não, que queriam apenas ver tv, etc. Eu que sou super inquieta, comecei a procurar algo para tirar eles da frente da tv, eis que encontrei  no ármario deles, alguns potes de tinta, e ai me surgiu uma idéia na cabeça: Vou convidar eles pra brincar de pintar durante o banho, e assim já resolvo duas coisas ao mesmo tempo, tiro eles da frente da tv e eles tomam banho.

A brincadeira nem era nada demais, eu disse a eles que podiam pintar o que quisessem nos azulejos, ou até pintar a si próprio, pernas, barriga, braços. Eles se divertiram tanto, e com algo tão simples, no final das contas até eu entrei na brincadeira, ficamos todos pintados, inclusive o rosto, fizemos bigodes, pintas, e como tudo saía com  água, criamos diversos personagens e pra finalizar deixamos a nossa marca no azulejo, cada um pintou a sua mão no azulejo e deixou a sua marca no banheiro, claro que antes de eu sair do banho tirei tudo, e saiu tudo super fácil. A tinta que usei era uma da acrilex, guache mesmo, não tóxico, esses comuns mesmo.  O bom dessa brincadeira é que qualquer um pode fazer, mesmo morando em apartamento, e qual criança não adora brincar com tinta né?

No domingo, resgatamos algumas brincadeiras da minha infância e do meu marido, como amarelinha e elefante colorido. Fazia uns bons anos que eu não pulava amarelinha, e descobri que continuo boa nisso, hahaha.Era uma das minhas brincadeiras favoritas quando era criança.

Na segunda, meu marido teve a idéia de ensinar os pequenos a brincar de corrida de tampinha, aquela onde você faz uma pista no chão, coloca alguns obstáculos e vai dando toques na tampinha até completar uma volta, nem preciso dizer que foi super legal também.

E pra finalizar o feriadão totalmente em família, na terça brincamos de pata cega e morto vivo, nossa como todos nós nos divertimos, como foi engraçado. Para brincar de pata cega, nós tomamos alguns cuidados como: fechamos a porta da cozinha, retiramos os tapetes, afastamos os móveis que tinham alguma ponta que apresentasse perigo, e o resto foi só alegria, até o caçula de quatro anos entrou na história, claro que ele era meio "café com leite" mas em off, pq ele não gosta dessa história de ser café com leite não, ele gosta de competir de "verdade" como ele mesmo diz.

Resolvi escrever sobre isso, porque me dei conta de que hoje em dia muitas crianças se quer conhecem essas brincadeiras, que são tão saudáveis e outra toda família pode participar junto, são brincadeiras super simples, mas que a família tem a oportunidade de brincar junto e ter momentos de lazer de verdade e o melhor sem gastar nadinha, tudo o que precisa é disposição e vontade de voltar a ser criança. E quem não gosta de ser criança de vez em quando não é mesmo??

Bjs,


segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Agosto, desgosto e TPM


Existe um mês em que meus companheiros anjos da guarda tiram férias: Agosto. É incrível como tudo que não pode acontecer, acontece justo nesse mês.
E quando ele chega, finjo caminhando e cantando e seguindo a canção, mas não tem jeito! Ele me pega. Como nada na vida é assim tão simples, some a uma série de desventuras em série,  uma severa e crítica crise de TPM.
E agora, como lidar?
Mentalizei coisas boas, passei a entoar mantras, abasteci a despensa de chás que prometem  calma e tranqüilidade.
Só que, passei a ter crises de choro sem motivo; descobri problemas da Bia com a matemática (logo ela,  uma matéria tão adorável); marido viaja duas vezes no mesmo mês; Otto com uma crise de asma que não passa; o gás que acaba  na hora do almoço (valeu, Murphy); a pilha de roupas pra passar  que cresce em progressão geométrica  e eu que passo em progressão aritmética; minha mãe passa a me ligar, pedindo pra eu voltar pra terra onde tem  palmeiras, onde canta o sabiá; brigas, problemas e guerra no planeta Terra e .............AHHHHHHHHHHHHHHH.....a cada vez que isso acontecia, sabe o que eu fazia?

a)      (   ) bebia um chá?
b)      (   ) entoava um mantra?
c)      (   ) ouvia Núbia Lafayete bebendo uma cerveja gelada?

Não, não queridas-amigas-leitoras, sentava no sofá e comia uma tigelona quente de brigadeiro. Um delicioso e malicioso brigadeiro.
Eram verdadeiros momentos de prazer, onde eu me consolava a cada colherada. Comia quente e ainda revirava os olhos, soltando suspiros profundos. Suspendi gritinhos e gemidos, porque não ia pegar bem, néam? Era um afago que eu me permitia, era um carinho, era....ahhhhhhhhh.....
Soaria tão poético se eu não tivesse engordado dois quilinhos nesses momentos de prazer desmedido.
Agosto se foi e a ele uma banana.
Setembro chegou e a mim, uma salada, por favor.

domingo, 5 de setembro de 2010

Assunto sério: cadeirinha de segurança em veículos.

Gente, quem me conhece de perto sabe o quanto eu sou chata e exigente com o transporte de crianças em carros. Criança em veículo sempre em cadeirinha de segurança, isso é básico e lei pra mim desde s.e.m.p.r.e!!!!!!

Quer dizer, nem tanto tempo assim...quando ainda não vivia tão intensamente o universo infantil, não me atinha ao fato de ver uma criança usar ou não cadeirinha de segurança dentro de um carro. Na verdade, meu primeiro contato com o assunto foi quando uma de minhas melhores amigas engravidou e quando seu filhinho nasceu ela o transportava livremente no banco de trás. Sempre observei a cena e achava que tinha algo de errado, estranho, me admirava que ela não usasse tal dispositivo, mas como era uma mãe superzelosa, nunca toquei no assunto.

Entretanto, quando tive contato mais de perto com a cultura canadense percebi o quanto é importante o uso da cadeirinha. Nessa época ainda não tinha me tornado mãe, mas aprendi com eles que para a segurança dos pequenos é fundamental que sejam transportados devidamente protegidos pelo cinto de segurança. Sim, porque no Canadá a falta de cinto de segurança, cadeirinha ou bebê conforto devidamente presos aos cinto de segurança pode dar cadeia!!!! Yes, pode sim.

Então, um dos primeiros itens que comprei pra minha filhota, quando ela ainda estava na minha barriga, foi o bebê conforto. E ela já saiu da maternidade dentro do mesmo, devidamente protegida e segura. E conforme seu crescimento, as cadeirinhas foram mudando e assim é até hoje.

Não poderia sentir isso, mas quando vejo uma criança sendo transportada indevidamente me dá uma aflição danada!!!! Acreditem, já vi uma menina literalmente caindo de dentro de um carro, quando o veículo fez uma curva, a porta de trás não estava fechada e a menina caiu :o. A sorte que o motorista estava superdevagar e não houve maiores consequências. Nesse fato singular, se a menina estivesse com cinto de segurança (era uma criança que aparentava ter uns 9/10 anos), mesmo que a porta estivesse com defeito ou que não tivesse sido devidamente fechada, a criança não teria caído do carro.

Quando o CONTRAN definiu as regras de transporte de crianças, através da Resolução 277, me deu um alívio enorme, porque sabia que o número de crianças transportadas indevidamente iria reduzir, ufa!!!! Mais um direito infantil protegido.

Entretanto, penso que o governo ainda está sendo falho. Porque do jeito que a coisa aconteceu, a forma de como a lei surgiu, chega até a dar a impressão que é só mais uma lei pra encher os cofres das indústrias que fabricam tal dispositivo de segurança. Não gosto de criticar sem apontar soluções, por isso, a meu ver, junto com tal legislação deveria também vir uma campanha ferrenha informando a importância do uso da cadeirinha da segurança. A população deveria ser esclarecida e saber o que pode ou não acontecer se uma criança for transportada inadequadamente. Vejam o vídeo e emitam suas opiniões:

video

Nesse vídeo, primeiramente o pai fala que não haveria necessidade de colocar o cinto de segurança, muito embora a criança estivesse usando a cadeirinha de segurança, porque eles iriam se deslocar para um local perto. A mãe visualiza a situação e decide colocar o cinto.

O que percebo é que muitos pais, embora zelosos, afetivos e tudo mais, não dão a devida importância ao assunto. A impressão que tenho é que as pessoas pensam que com elas não vai acontecer nada, que dirigem com cuidado e etc e tal. Sabe aquela coisa, aquele pensamento adolescente de que “eu nunca vou engravidar”, ou então não tão adolescente de “eu não pegarei AIDS”, aquele pensamento de que as pessoas têm de que com elas o pior não acontecerá? Até acho que devemos pensar positivo (e como acho) em relação as coisas, mas não dá pra marcar bobeira e deixar o acaso nos guiar quando temos a opção de nos prevenir!!!!! E a cadeirinha de segurança nada mais é do que uma prevenção. Não quer dizer que num caso de acidente a criança que estiver usando sairá ilesa, mas as chances de isso acontecer são maiores. E é por isso que sou defensora do seu uso.

Então acho que o que falta para os pais que ainda acham desnecessário o uso desse item de segurança é informação, é se inteirar das consequências que podem acontecer pela falta deste zelo.

Andei dando uma pesquisada por aí e vi em alguns fóruns ou comentários sobre a nova lei a indignação de algumas pessoas. Gente até que diz ser mais seguro uma criança ser transportada no colo da mãe do que presa ao cinto de segurança e afins. Isso é uma vergonha e total falta de consciência.

Obviamente não devemos contar só com o governo para que as pessoas sejam informadas, até porque o nosso meio político, infelizmente, é duvidoso no quesito “o melhor para o povo”, masssssss não podemos perder as esperanças e também não podemos deixar de fazer a nossa parte e alertar o máximo de pessoas possíveis sobre o que pode acontecer na ausência da cadeirinha e cinto de segurança.

Segue também um vídeo bem interessante ensinando a instalar as cadeirinhas de segurança.


video

Bjkas,

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Dica de Restaurantes

A dica hoje é de restaurantes com espaço kids em Florianópolis.
Um que eu adoro e sempre frequentamos é o Galpão Grill, na Beiramar. Além da comida ser maravilhosa, é também bem variada! Infelizmente, não tenho fotos! Os preços ficam em R$ 45,00 (por pessoa) no almoço, com buffet repleto de pratos quentes, frios, sushis, massas e tal, mais rodízio de carnes com ótimos cortes. No jantar o valor é R$32,90 (por pessoa - promoção) e além de tudo que servem no almoço tem rodízio de pizza. Só tem um defeito, para os apreciadores, a sobremesa não esta inclusa. Tem o galpão kids que é um espaço bem legal! Sempre sentamos bem próximo para ficar olhando o Tau brincar.

GALPÃO GRILL FLORIANÓPOLIS

(48) 3224 7554

AV. BEIRAMAR NORTE - CENTRO
FLORIANÓPOLIS - SC

Outro que fomos só uma vez mas gostamos foi o Castelo Grill.


Tau esta com o projeto do Dom Quixote, na escola então achamos legal a ideia de levá-lo para almoçar num "castelo"! Realmente foi bem interessante. O atendimento foi muito bom, espaço físico bem amplo e o espaço kids só tem recreacionista no verão, mas sentando perto dá para ficar de olho.


A culinária servida é a peruana. Bem parecida com a nossa, tirando os temperos das carnes, com sabor um pouco mais forte, mas bem gostoso! Fomos num domingo que só tem à la carte. De quinta a sábado tem almoço executivo R$ 28,00.
Desta vez lembrei que poderia virar post e fotografei e anotei tudo. Quer dizer quase tudo porque a entrada foi devorada antes mesmo de eu lembrar da máquina fotográfica. Vou listar alguns pratos com os preços para dar uma ideia de valores.

- Entrada
Cesta Monarquia - R$ 8,50 (torradinhas, pão com alho e molhinhos) 
- Salada
Dona Carlota - R$ 18,00 (foto)
- Guarnições
Arroz com Brócolis R$ 5,50
- Carnes
Bife Ancho Rei Arthur R$ 28,00 (corte argentino do miolo contra filé, grelhado na parrilha)
Picanha Rainha Elizabeth R$ 14,00 (picanha importada, na brasa, acompanha molho chimichurri
Rei Leão R$ 8,00 (coração de frango com tempero peruano, na brasa)
- Sobremesas
Mousse à Lúcuma (fruta peruana) com trufas R$ 9,00
Creme de Ovomaltine R$ 6,90








CASTELO GRILL
(48)3369-2360
RODOVIA SC-401, 18070 - CANASVIEIRAS
FLORIANÓPOLIS - SC

E você?  tem dica de restaurantes ou outros lugares com espaço para crianças? 
Conte pra gente...

Beijos